terça-feira, 13 de dezembro de 2016

QUARTO ANIVERSÁRIO DE "EUGENIO EM FILMES"

O blog "Eugenio em Filmes" chega ao quarto aniversário: 13 de dezembro de 2016. Desde o nascimento são 235 textos publicados, a maioria composta de apreciações de filmes os mais diversos que assisti e venho assistindo em 58 anos de paixão irrestrita pelo cinema. Comecei cedo, aos dois anos, em 1958, por causa de minha mãe: não tendo com quem me deixar, levou-me a uma sessão do espanhol Marcelino Pão e Vinho (Marcelino Pan y Vino, 1958), de Ladslao Wajda. Graças aos meus pais passei, a partir dos 8 anos, em 1964, a praticar o esporte preferido: anotar os nomes dos filmes vistos. Devido às fixações de ambos — também cinéfilos razoavelmente organizados enquanto assim puderam permanecer —, tenho a relação completa de tudo o que vi. São, sem tirar nem por, 6683 títulos até o momento. Este número poderia ser bem maior. Porém, houve o período em que fiquei mais exigente e deixei de privilegiar qualquer atração que se apresentasse. 



Em 1967 percebi que apenas listar os títulos era pouco relevante. Com o auxílio de jornais e revistas me lancei à então difícil atividade de levantar as fichas técnicas e de elenco. Em 1974, considerei que isso também era insuficiente e passei a escrever apreciações pessoais. Embarquei, na medida do possível, em uma intensa atividade de revisão que me obrigou inclusive a viajar para irrigar a memória onde quer que houvesse uma reapresentação do meu interesse. Até hoje continuo nessa brincadeira. Algumas apreciações foram publicadas em revistas acadêmicas e jornais. São esses escritos, que abarcam as mais diversas épocas, de 1974 para cá, que alimentam este blog. 



A decisão sobre o que será publicado decorre de sorteio o mais aleatório. Creio que este método é o mais democrático para lidar com textos acerca de realizações as mais diferentes, nem todas do meu inteiro agrado. Desse modo impeço a interposição de minhas preferências na escolha. Mesmo assim, enquanto o blog começa a arrancada rumo ao quinto ano — e apenas para ilustrar esta publicação comemorativa com algumas imagens —, gostaria que o acaso colaborasse no sorteio, se possível para já, de algumas apreciações deste lote de quinze títulos — um número tinha que ser fixado, não é mesmo? — que, dentre muitos outros, contribuíram para lapidar minha cinefilia e visão de mundo.



48 horas! (Went the day well, 1942), de Alberto Cavalcanti


A sala de música (Jalsaghar, 1958), de Satyajit Ray


Bom dia (Ohayô, 1958), de Yasujirô Ozu


Hiroshima meu amor (Hiroshima mon amour, 1959), de Alain Resnais


Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos


O homem que matou o facínora (The man who shot Liberty Valance, 1962), de John Ford


Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia, 1962), de David Lean 


O passageiro, profissão: repórter (Professione: reporter, 1975), de Michelangelo Antonioni


Limite (1931), de Mário Peixoto


Terra em transe (1967), de Glauber Rocha


Rastros de ódio (The searchers, 1956), de John Ford


O deserto vermelho - O dilema de uma vida (Il deserto rosso, 1964), de Michelangelo Antonioni


O evangelho segundo São Mateus (Il vangelo secondo Matteo, 1964), de Pier Paolo Pasolini


O leopardo (Il gattopardo, 1963), de Luchino Visconti


Paisagem na neblina (Topio stin omichli, 1988), de Theodoros Angelopoulos



Aos que acompanham o "Eugenio em Filmes", obrigado, abraços e vamos em frente.


José Eugenio Guimarães
13 de dezembro de 2016

15 comentários:

  1. José, caro cinéfilo colega, acompanho seu trabalho-passatempo há algum tempo. seu blog é um dos melhores que conheço de fato na área. às vezes não concordo com tudo que escreve, mas toda concordância em absoluto é burra, não? um cara já dizia mais ou menos assim.... gosto dos filmes que escolhe, sugere a mim vários filmes para assistir que não conheço ou não conhecia.... e tu escreves bem sobre cinema, enfim. parabéns pelos quatro anos de blog, e que venham mai! estou sempre lendo! abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comparecimento, Rafael. É um prazer vê-lo aqui, ainda mais nesta ocasião especial. Francamente, não pensei que fosse chegar a tanto. Espero ter forças para aguentar mais um ano. Ainda bem que não concorda com tudo. Aproveite e use este espaço para expressar as suas discordâncias. Serão bem vindas e daí poderá frutificar um debate proveitoso. Abraços.

      Excluir
  2. ¡Muchas Felicidades Eugenio!
    Su pasión por el cine, queda demostrado en cada nueva evaluación que nos presenta. Textos siempre bien argumentados y analizados con mucho rigor, un lujo para los que queremos aprender de cine, crítica y sus consideraciones sociales.
    Espero que cumpla muchos años más en la crítica y análisis de cine.
    Una pasión por el cine desde niño que yo también comparto.
    Mis mejores deseos, felicitaciones y ánimos para seguir muchos más años escribiendo y disfrutando con el cine, el maravilloso séptimo arte!!
    ¡Muchos abrazos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Miguel! Espero ter forças para seguir adiante por mais alguns anos. De minha parte, não pensei que fosse resistir durante tanto tempo. Suas considerações, da parte de quem vive e conhece o cinema, são, para mim, muito valiosas e incentivadoras. Bom saber que começamos cedo com o nosso amor pelo cinema. Muchas gracias e abraços. Fique com um grande e sincero saludo.

      Excluir
  3. Muchas felicidades amigo josé Eugenio por este blog que haces criticas de cine. Un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado por suas considerações e comparecimento, Maria del Carmen. Abraços e saludos.

      Excluir
  4. ¡Enhorabuena! compañero y buen amigo Eugenio.
    Me sumo a esta celebración con mucho gusto y especialmente porque representas un buen referente en este mundo del séptimo arte, con un conocimiento enciclopédico y unas reseñas que parecen dignas de un profesor de cinematografía.
    Brindo por futuros éxitos y nuevas celebraciones.

    Saludos, abrazos y besos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Estrella. Espero ter forças para resistir durante mais algum tempo nesta selva que é o universo dos blogs. De minha parte, jamais pensei que fosse chegar a tanto tempo. Obrigado também por ter me dado o prazer de conhecê-la bem como ao seu blog. Como já lhe disse, acompanhar os seus escritos é um prazer e um aprendizado. Os incentivos também decorrem desta interação. De outra parte, há todo o apoio que me oferece. Vamos em frente com nossos blogs e que possamos ter mais alguns bons e frutíferos anos de vida.

      Beijos.

      Excluir
  5. Com a leitura da resenha, - pré-postada -, de “Estigma da crueldade” inicio a missiva em homenagem a José Eugenio Guimarães e a seu blog “Eugenio em Filmes”. Este completa quatro anos, na próxima terça, dia 13 de dezembro. Data mesma do AI-5, em 1968.
    Eugenio é um fanático – incondicionalmente apaixonado pela sétima arte! Nas noites de sexta, após as aulas da universidade, aqui, em “Escovas”, - como ele costuma dizer -, demos início aos encontros com o cinema, na casa de amigos, com direito a comes e bebes e boa companhia – lá pelos anos 2010/11. É claro que quem indicava os filmes era o nosso cinéfilo, espirituoso e da boa cachaça, Eugenio.
    John Ford se apresentou à sombra e à companhia dele. Começou assim uma parceria – a leitura e a revisão do arquivo imenso de resenhas. A intenção de publicar o acervo aflorou. À 0h de todo domingo, um novo texto é postado no “Eugenio em Filmes”.
    Acompanhei de perto a iniciativa do blog e sua (a dele) satisfação em ver pronto aquilo que imaginara: o espaço de projeção com cortinas verdes e as cadeiras vermelhas da plateia.
    Eugenio - para aqueles que bem o conhecem - é cheio de manias! Uma delas é sortear, em meio a suas inúmeras pastas, o filme a ser postado. Depois, o envia para mim. Faço a leitura e a revisão de bobagens ortográficas, dando alguns pitacos na escrita cinematográfica: minha “câmera” lê seus artigos, sim – artigos –, análises e impressões, atentando aos detalhes, aqueles passados desapercebida ou despercebidamente. Tanto faz. É um deleite para aquele conhecedor das telas. Às vezes até procuro o filme para assistir após a primeira leitura, e aí, quando retorno, me identifico com o que está ali posto. Amo as imagens dos filmes e daquelas fotografadas na escrita. Elas demandam época, tempo, história e sociedade.
    São clássicos, em sua maioria. Clássicos sim – e não “filmes antigos”. ...rsrs.! Acho que nasci tarde demais! Preciso de muitas noites de sofá até colocar em dia!
    Não é um blog para qualquer um. E é para todos também. Os textos são críticos com uma pitada de sarcasmo e ironia, além de informativos e contextualizados. Às vezes, as linhas da pauta são duras e cortantes, mas necessárias por serem políticas e politizadas.
    Amigo queridão, é um enorme prazer acompanhá-lo na minha ignorância cinéfila.
    Nos encontraremos na próxima sessão. Parabéns pelos prêmios e agrados aos amantes da sétima arte!
    Beijos de Axé! E abraços de Saudades!
    E, claro!
    FORA TEMER! E ELEIÇÕES JÁ!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Olímpia,

      "Escovas" (Vassouras) não foi O COMEÇO, mas, sim, algo de fato começou ali, além desde blog. Não tenho palavras, e todas seriam insuficientes para expressar tudo o que disse e fez ao longo desses quatro anos de permanente colaboração - muito mais que isso, aliás - e acompanhamento. É praticamente uma coautora e gostaria que participasse mais, como fez agora, com este precioso comentário que expôs, com a devida propriedade, também uma história do blog que não foi contada apenas por mim. Outras versões da mesma história são necessárias e a sua é fundamental. Você revela o que sou e o que há em mim; faz aquilo que não consigo fazer. Inclusive reforça a minha filiação ao cinema fordiano, algo fundamental. É sempre reconfortante saber que a tenho na retaguarda, no mais que necessário trabalho de revisão e ajustamentos. Chega o momento em que o próprio autor não tem mais olhos para verificar os próprios erros que comete de tão viciado que fica no texto. Outros olhos são essenciais para fazer esse trabalho de "desintoxicação" e os seus nunca faltaram, desde o começo. E não fique pensando que nasceu tarde demais para o cinema. Hoje, temos muitas condições para recuperar os filmes e o tempo perdidos. Naquele meu tempo de início na cinefilia, só existiam a TV (e olhe lá) e as reapresentações que o cinemas costumavam fazer.

      Beijos, abraços, carinhos, tudo de bom e do melhor, FORA TEMER! (outra vez às voltar com uma ditadura é demais para mim).

      Excluir
  6. Queridão, parabéns por mais um ano de blog! Fico feliz pelo sucesso e por ter participado da criação do mesmo! Admiro sua sabedoria quando trata-se do assunto cinema! Espero que o sucesso só aumente! Beijo grande, Yamê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Yamê. Beijo grande e abraço apertado.

      Excluir
  7. Estimado Eugenio,te felicito por la celebración del cuarto aniversario de tu blog.Para los que amamos el séptimo arte desde pequeños es un auténtico tesoro. Gracias por tu generosida y sabiduría. Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muchas gracias por sus palabras y felicitaciones, Montse. Besos y abrazos, con saludos.

      Excluir
  8. Eugenio,

    Vos felicito e abraço pelo bom trabalho que nos oferece à leitura. Não estive contigo em todo este tempo. No entanto, durante o periodo em que
    vos sigo, pode sentir orgulho pela qualidade do que nos cede.

    jurandir_lima@bol.com.br

    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir