domingo, 28 de abril de 2013

SHREK PERDIDO NUM DIA DE GEORGE BAILEY

No clássico A felicidade não se compra (It’s a wonderful life, 1946), de Frank Capra, o personagem George Bailey (James Stewart) — desesperado com a precariedade e os excessos de responsabilidade da vida que leva — tem a existência anulada pelas artes de um anjo de guarda atrapalhado. Por maquinação do birrento e vingativo duende Rumplestiltskin, algo parecido acontece com Shrek na sua quarta aventura cinematográfica. Shrek para sempre (Shrek forever after, 2010) é um salto de qualidade em termos de agilidade e criatividade se comparado ao arrastado e aborrecido Shrek terceiro (Shrek the third, 2007), de Chris Miller e Raman Hui. Por outro lado, é bom saber: nem só de apreciações de filmes sisudos se alimenta este blog.






Shrek para sempre
Shrek forever after

Direção:
Mike Mitchell
Produção:
Teresa Cheng, Gina Shay
DreamWorks Animation, Pacific Data Images
EUA  2010
Elenco:
Vozes de: Mike Myers, Eddie Murphy, Cameron Diaz, Antonio Banderas, Julie Andrews, Jon Hamm, John Cleese, Craig Robinson, Walt Dohrn, Jane Lynch, Lake Bell, Kathy Griffin, Mary Kay Place, Kristen Schaal, Meredith Vieira, Ryan Seacrest, Cody Cameron, Larry King, Regis Philbin, Christopher Knights, Conrad Vernon, Aron Warner, Jasper Johannes Andrews, Ollie Mitchell, Miles Christopher Bakshi, Nina Zoe Bakshi, Billie Hayes, Jeremy Hollingworth, Brian Hopkins, Chris Miller, Mike Mitchell, James Ryan, Ashley Boettcher, Jill Sayre e os não creditados Danielle Soibelman, Frank Welker.




O diretor Mike Mitchell "orienta" o Gato de Botas


Nove anos depois de seu ruidoso e renovador lançamento, Shrek chega à quarta e, provavelmente, derradeira aventura no cinema. É o que se espera. Shrek para sempre ou Shrek forever after no original, também leva a denominação informal de The final chapter nos Estados Unidos. Mas do jeito que são as coisas na linha de montagem hollywoodiana, não deveremos nos assustar caso produtores oportunistas apelem para sobrevidas tipo “Shrek forever after again” ou “The final chapter: The adventure goes on”.


Em 2001, o flatulento, assustador, solitário e nada gentil ogro verde da Dreamworks ganhou seu primeiro filme. Shrek (Shrek), de Andrew Adamson e Vicky Jenson, inovava com comentários e observações carregadas de humor negro e duplo sentido. Disparava farpas contra o padrão de animação bem comportado consolidado pela Walt Disney Productions: o traço mais certinho e arredondado dos personagens, as tonalidades cor-de-rosa, o felizes para sempre, a sinfonia de pássaros, as canções otimistas, edificantes e onipresentes se tornaram motivo de saudável revisão e gozação. A produção caiu no agrado de crianças e adultos. O resultado: em 2002, ganhou o primeiro Oscar de Melhor Animação em Longa Metragem. A inevitável sequência viria em 2004: Shrek 2 (Shrek 2), de Andrew Adamson, Kelly Asbury e Conrad Vernon nada ficava a dever em termos de originalidade, humor e agilidade ao antecessor. Então, em 2007 veio Shrek terceiro (Shrek the third), de Chris Miller e Raman Hui. A perda de vigor criativo e narrativo foi impressionante. Deixou a certeza de que Shrek deveria ter encerrado suas aventuras no segundo filme. Porém, três anos após, surge Shrek para sempre. Surpreendentemente, é um salto de qualidade em agilidade e criatividade se comparado ao filme anterior. Apesar disso, deixa mais evidente a certeza de que Shrek está cansado em termos existenciais e cinematográficos. Deu o que tinha. Foi explorado à exaustão e pede para ser deixado em paz. Que o público fique com a lembrança e a disponibilidade dos dois primeiros filmes.


Shrek para sempre lança o ogro numa espécie de dimensão paralela, na qual vaga, perplexo, como completo desconhecido. É um tempo no qual sequer havia nascido. O responsável pela tramoia é o mal intencionado e ambicioso duende Rumplestiltskin, criação original dos irmãos Grimm. Ele cobiçava o trono do reino de Tão Tão Distante e, segundo o roteiro de Josh Klausner e Darren Lemke, por pouco não o conseguiu. Para seu azar, Shrek — conforme o primeiro filme — chegou a tempo de salvar Fiona do sono profundo, invalidando magicamente o contrato que os pais da princesa, o rei Harold e a rainha Lilian, quase firmaram com o duende. Graças a isso, a história de Shrek e seus amigos pôde transcorrer de acordo com o script das aventuras anteriores. Porém, Rumplestiltskin — que mereceu traços de criança mimada e birrenta nas mãos dos desenhistas — aguarda a hora da vingança.


Casado com Fiona e pai de três filhos, Shrek vive feliz com a família no seu aconchegante pântano. É constantemente visitado pelo Burro e o Gato de Botas, que ficam a entreter as crianças com o sempre requentado relato das aventuras passadas. O ogro, tão assustador no início, há muito deixou de ser temido. Foi incorporado à normalidade da paisagem e transformado em atração turística. Os aspectos mais emocionantes da vida desse exemplo de pai e marido se resumem à troca de fraldas e aos serviços domésticos. Tanta rotina começa a aborrecê-lo. Na festa de aniversário das crianças, perde de vez a paciência com a chateação dos convidados a ponto de desejar, em alto e bom som, principalmente para os ouvidos da sentida Fiona, que gostaria de retornar aos dias em que era apenas um ogro solitário, assustador e feliz. Convenientemente, Rumplestiltskin estava nas proximidades e ouviu tudo. Irrompe no caminho do aborrecido Shrek, pronto a lhe satisfazer o desejo.



Shrek casado e com filhos: a dura rotina de todos os dias

Mediante contrato, mas sem ler as letras miúdas, Shrek recebe de Rumplestiltskin todo um período diário para se esbaldar como o temível ogro de outrora. Em compensação, cede ao duende justamente o dia em que nasceu. Compromisso firmado, Shrek não perde tempo. Passa à diversão, assustando campos e cidades. Volta a ser caçado furiosamente pela multidão armada de foices e rastelos. Mas logo percebe que há algo de errado. Ao lado dos cartazes oferecendo prêmios por sua cabeça, há outros semelhantes, mas estampando a efígie de Fiona. Antes que possa entender o ocorrido, é capturado por bruxas a serviço de Rumplestiltskin.


Em troca de um dia de liberdade, Shrek assina um pacto com o duende Rumplestiltskin

Mas após a assinatura do pacto, o ogro verde é enviado para uma espécie de limbo temporal onde  sua existência não faz sentido

Shrek descobrirá, então, que foi engabelado. Está encerrado numa dimensão temporal na qual ainda não nasceu. Logo, nunca salvou Fiona e jamais gozou da amizade do Burro, agora reduzido à triste condição de animal de carga. Para piorar, Rumplestiltskin põe todos os ogros à margem da lei na tentativa de capturar Shrek antes que ele leia as letras miúdas do contrato. Aqueles que escaparam à perseguição procuram refúgio na floresta. Liderados por Fiona, organizam-se como foco de resistência à tirania. O outrora ágil e esperto Gato de Botas não passa, agora, de um gordo, lerdo e mimado bichano de estimação.


Shrek reencontra o Gato de Botas, agora reduzido a gordo e preguiçoso bichano de estimação

Tomando ciência da nova realidade, Shrek escapa, levando a contragosto o Burro, que morre de medo de ogros. Enquanto tentam o entendimento, descobrem as cláusulas não observadas no contrato. Somente o beijo do amor verdadeiro, antes do término do dia contratado, devolverá a realidade aos eixos. É preciso encontrar Fiona e convencê-la do fato. Por mero acaso localizam a base da resistência. Mas a arisca e aguerrida princesa não se entrega facilmente às investidas de Shrek. Quando se convence a ser beijada, nada acontece. Enquanto isso, Rumplestiltskin apela à ajuda do multitarefa Flautista de Hamelin para vencer os rebeldes. Sucedem-se equívocos e batalhas. Depois de alguns percalços o duende é enfim derrotado, com o dia contratado chegando ao seu término. Shrek tomba. Está prestes a desaparecer para sempre quando recebe de Fiona o beijo do amor verdadeiro. Ao recobrar os sentidos, está novamente no cenário da festa de aniversário dos filhos. A realidade voltou ao normal e Shrek aprendeu a controlar o imediatismo fácil das vontades e dos desejos.



Shrek e o Burro: o asno não tem lembranças do amigo e morre de medo de ogros

Somente o beijo do amor verdadeiro entre Shrek e Fiona devolverá a existência à normalidade

Considerado isoladamente, Shrek para sempre não faz feio. Mas as comparações com Shrek e Shrek 2 são inevitáveis e desproporcionais. Bons momentos, como os permitidos pelo Flautista de Hamelin com sua flauta high tech de amplo espectro poderiam ser mais bem aproveitados. As sequências do pavor do Burro com o ogro, da luta de Shrek e Fiona contra o dragão, da entrada em cena do obeso Gato de Botas e da perseguição movida pelas bruxas ao ogro — todos pilotando vassouras no interior do castelo de Rumplestiltskin — são particularmente boas. Insuficientes, porém, para conduzir a realização ao encontro do dinamismo e da consistência dos primeiros filmes.


É mais que patente a afinidade de Shrek para sempre com A Felicidade não se compra (It’s a wonderful life, 1946), de Frank Capra. Nesse filme, o personagem George Bailey (James Stewart) também tem a existência anulada ao ser abandonado numa situação de limbo temporal depois de se desesperar com a precariedade e os excessos de responsabilidade da vida que leva.


Digna de nota é a inversão de papéis no tocante ao beijo do amor verdadeiro. A iniciativa válida não parte de Shrek, mas de Fiona. Em Shrek para sempre ela, mais que nunca, não é uma princesa passiva como Branca de Neve ou a Bela Adormecida, que aguardaram em sono profundo a iniciativa redentora dos príncipes de suas vidas. Determinada, dona de seu destino, é Fiona que possibilita, ao decidir pelo beijo no combalido Shrek, a salvação do ogro e o reordenamento do mundo.


No universo paralelo, Fiona lidera a resistência contra Rumplestilskin

Apesar dos pesares, Shrek para sempre recebeu, em 2011, indicações a Melhor Filme de Animação da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films dos EUA. No mesmo ano foi indicado ao Kid’s Choice Awards como Filme de Animação Favorito. Em categorias semelhantes recebeu indicações ao People’s Choice Awards (2011) e ao Teen Choice Awards (2010).


Aos prêmios Annie, distribuídos em 2011, foram indicados Andrew Young por Melhores Efeitos Especiais de Animação, Peter Zaslav na categoria de Melhor Desenho de Produção em Animação, Paul Fisher pelo Melhor Storyboard em Animação, Harry Gregson-Williams pela Melhor Música em Animação e Cameron Diaz pela voz de Fiona. A atriz, em idêntica categoria, foi indicada ao Kid’s Choice Awards de 2011.


Shrek em família

Teresa Cheng, Gina Shay, Doug Cooper e Jason Reisig foram indicados ao Visual Effects Society Awards de 2011 na categoria de Excelência em Realização de Animação para Cinema. Nesse mesmo ano Andrew Kim, Jeff Budsberg, Can Yuksel e Yancy Lindquist foram nominados, também pelo Visual Effects Society Awards, à categoria de Excelência em Efeitos de Animação para Cinema.


Eddie Murphy, pela dublagem do Burro, recebeu em 2011 o Kid’s Choice Awards como Voz Favorita em Animação.






Roteiro: Josh Klausner, Darren Lemke, com base no livro Shrek, de William Steig. Produção executiva: Andrew Adamson, Aron Warner, John H. Williams. Música: Harry Gregson-Williams. Direção de fotografia (cores): Yong Duk Jhun. Montagem: Nick Fletcher. Desenho de produção: Peter Zaslav. Direção de arte: Max Boas, Michael Hernandez. Supervisão da produção: Tracey Michelle Arnold, Joe Crowley, April Struebing, Kelly Matthews, Peter McCown, Robyn Mesher. Gerente de pós-produção: Andrew Birch. Gerente de produção: Tony Cosanella. Supervisão do roteiro: Ryan Harris. Storyboard: Rejean Bourdages, Paul Fisher, Steve Hickner, Chris Reccardi, Anthony Zierhut. Desenvolvimento visual: Paul Duncan, Nathan Fowkes, Daniel Hashimoto, Peter Maynez, J.J. Villard. Assistente de produção de arte: Brandon Holmes. Assistente de pesquisa de arte: Jonathan B. Lee. Pesquisa de arte: Caprice Ann Ridgeway. Pintura matte: William T. Silvers Jr. Coordenação de arte: Christopher Vigil. Supervisão da edição de som: Erik Aadahl, Ethan Van der Ryn. Edição de diálogos: Ulrika Akander. Ruídos de sala: James Ashwill, John T. Cucci, Dan O'Connell. Mixagem da regravação de som: Anna Behlmer, Andy Nelson. Gravação de diálogos: Brian Bracken, Benny Mouthon, Morten Folmer Nielsen. Gravação de som: Ryan Cole. Supervisão da edição de diálogos: Susan Dudeck. Supervisão de efeitos sonoros: P.K. Hooker. Supervisão de ruídos de sala: Jonathan Klein. Edição de efeitos sonoros: John Marquis. Edição da regravação de diálogos: Morten Folmer Nielsen. Primeiro assistente da edição de som: Andy Sisul. Mixagem de diálogos originais: Carlos Sotolongo, Larry Winer. Transferência de som: John Soukup (não creditado). Administração de sistemas de efeitos visuais: Greg Gibson. Ajustes de efeitos visuais: Brian Ratchford, Hayyim Sanchez, Ricky Baba, Jessica Canter, Sandy Dong, David S. Karol, Linda Kurgpold, Taylor Moll, Cesar Alejandro Montero Orozco, Jennifer Stephenson Newlin, Tsun-Hui, Andrea Pun, Young Song. Animação de efeitos visuais: Michael Jones, Luca Pataracchia, Jason Porath, Scott Raymond. Arte digital: Cassandra Fanning, Loren Van Wiel, Jason Pomerantz (IMAX Version). Arte matte: Paul Rivera (não creditado). Assistência técnica de iluminação: Eugene Wen, Justin Dobies. Coordenação de efeitos de personagens: Oliver Finkelde (DreamWorks). Coordenação de efeitos visuais: Alex Ongaro. Coordenação de layout: Yong Duk Jhun. Coordenação de tecnologia de produção: Darin K. Grant. Colorização digital: Paul McGhee (Dreamworks Animation). Composição e iluminação de efeitos visuais: Farid Khadiri-Yazami, Soo Kyung Kim. Concepção inicial: Corey Hels (DreamWorks Animation). Consultoria visual: Ken Bielenberg. Coordenação de pós-produção em efeitos visuais: Nitin Singh. Desenvolvimento de efeitos de personagens: Rob Nitsch. Desenvolvimento de efeitos visuais: Lucas Janin, Yancy Lindquist. Desenvolvimento e pesquisa de efeitos visuais: Chloe Chao. Direção de pesquisa e desenvolvimento em efeitos visuais: Andrew Pearce. Direção técnica de ajustes de efeitos visuais: Mark Sandell (não creditado), Nigel W. Tierney, Crystal Fong. Direção técnica de ajustes de iluminação: Barry Dempsey. Direção técnica de efeitos de personagens: Anthony Tyler, Ilia Standish. Direção técnica de efeitos visuais: Herve Bizira, T.J. Jackson, Amy Sun Kwa, Rahul Singh. Direção técnica de equipe de efeitos visuais: An-Lon Chen. Direção técnica de iluminação e composição: Ken Lam. Direção técnica de iluminação: Justin Carcasole, Joyce Pan, Pranay Patel, Steve Petterborg. Direção técnica de personagem: Gaurav Shenai, Javier Solsona, Michael Leon Ware, Mitch Cockerham, Christina N. de Juan, Nathaniel Dirksen, Valentina Ercolani, Michael Scott Hutchinson, Li-Lian Ku, Candice Miller, Dave Otte. Direção técnica de testes de efeitos visuais: Katy Harrison. Direção técnica geral de personagens: Gilbert Davoud, Tom Molet. Efeitos de animação de personagens: Mariana Galindo, Joe Hughes, Jason P. Weber, Ron Williams, Uma Havaligi (não creditada), Mira Arte. Efeitos de animação: Aaron James McComas. Efeitos de personagens: Hock Wong, Joe Ark Sun, Neil Yamamoto, Panat Thamrongsombutsakul, Yiqun Chen (Dreamworks), Joong-ryang Choi, Stephen Heidelberg, Daniel Khin Lay, Navin Pinto (Dreamworks). Efeitos digitais: Andrew Pungprakearti, Britton Taylor, Erin Lehmkühl, Michael Farley, Andrea Paolino. Efeitos visuais: Evrim Akyilmaz, Shinsaku Arima, Jeff Budsberg, Wes Chilton, Andy Hayes, Matt Head, John Hughes (Dreamworks), Zeki Melek, Gustav Melich, Nikita Pavlov, Fangwei Lee (não creditado), Jennifer Lasrado, Domin Lee, Jaemin Lee, Michael Losure, Mark Newport, Alessandro Pepe, Masahito Yoshioka, Can Yuksel, Zhang Xiao. Engenharia de efeitos visuais: Jim Leuper, Mark T. Carlson. Engenheiro de meios e ferramentas de pós-produção em efeitos visuais: Ori Neidich. Engenheiros de produção: Brent Villalobos, Fabio Lissi, Kwesi Davis, Patrick A. Palmer, Michael J. Pan, Laura Wood. Engenheiro de softwares de efeitos visuais: Gregg Carrier. Engenheiros fx: Abhik Pramanik, Akash Garg. Engenheiro sênior fx r&d: Silviu Borac. Equipe de arte de efeitos visuais: David Bazelon, Erin J. Elliott, Spencer Knapp. Equipe de desenvolvimento de efeitos visuais: Joshua F. Richards, Curt Stewart (não creditado), Daniel Warom (Dreamworks), Jeff Sullivan. Fixação de pintura: Mauricio Valderrama, Jasper M. Baltzersen (PDI/DreamWorks), Michael Baula (PDI/DreamWorks), Matthew Beightol, Craig Cannon (PDI/DreamWorks), Bill Gumina. Michelle Kater, Marc Machuca, Melissa D. Moss. Gerente de produção de efeitos visuais: Sean Hoessli (Yuco). Iluminação de efeitos visuais: Kurt Kaminski, Max Bruce, Christopher Lynn Edwards. Iluminação e composição digital: Kenji Sweeney. Iluminação e composição em efeitos digitais: Jeff Ranasinghe. Iluminação e composição de efeitos visuais: Donna Lanasa, Marko Vukovic, Amanda Johnstone, Jonathan Fletcher Moore, Benjamin Venancie, Brock J. Stearn, Clint Colver, Christian Cunningham, Caine Dickinson (DreamWorks), Avedis Ekmekjian, Shane Glading, Glen Gustafson, Lei Han, Robert Holder (DreamWorks), Cindy Hong, Lok Ming Hwa, Michael Manza (DreamWorks), Pietro Materossi, M. Scott McKee, Marc Miller, David C. Lawson, Lyndon Li, Benjamin Lishka, Kieron Cheuk-Chi Lo, Don Taylor, Doug Yoshida, Gina Warr, Gregory Jennings, Blaine Kennison, Rupali Parekh, Lisa M. TSE, Osamu Takehiro, Ozgur Ustundag, Priyes Shah. Iluminadores principais: William E. Arias, Sebastien Chort, Dale Drummond. Layout final: Christopher Ell. Layout: Jason Carter, Josh LaBrot, Rhiannon Leffanta Wilhelmi, Steven Sorensen. Líder de composição: Avdesh Shukla. Líder de efeitos de personagens: David V. Fedele (Dreamworks). Líder de efeitos visuais: Andrew Young Kim. Líder de modelagem: John P. Rand. Liderança de composição à luz: Shaun Collaco (Dreamworks). Liderança de direção técnica em efeitos visuais: Dan Golembeski, Stephen Krauth. Liderança geral de efeitos visuais: Jonathan Gibbs. Liderança técnica de efeitos visuais: Gene Ragan. Modelador de computação gráfica: Min-Yu Chang (PDI DreamWorks). Modelagem de personagens: Ardie Johnson, Armando Sepúlveda, Manuel Almela, Angela Ensele Firebaugh, Steve McGrath, Paul Schoeni, Phil Zucco. Pintura matte em efeitos visuais: Patrick Jensen, Michael Wei Mao, Scott Brisbane. Principal engenheiro de efeitos visuais: Ken Museth. Rotoscópio: Akshat Tiwari, Dipak Raval, Merlin Carroll, Kartik Rajul Patel, Tom Piedmont (não creditado). Supervisão da direção técnica de personagens: Jeffrey 'JJ' Jay, Sandy Kao. Supervisão de ajustes de efeitos visuais: Lisa Slates Connors. Supervisão de computação gráfica: Greg Lev, Marc Scott. Supervisão de efeitos visuais: Doug Cooper. Supervisão de equipe de efeitos visuais: Allen Stetson. Supervisão de meios e ferramentas de efeitos visuais: Marty Sixkiller. Supervisão de modelagem: Joshua West. Supervisão de stereoscópio: Phil 'Captain 3D' McNally. Animação adicional: Bryan Andrews. Animação de personagens: David Hubert. Animação: Ben Rush, Benjamin Willis, Onur Yeldan, Chris Capel, Alberto Corral, Michelle Cowart, Matthew Kemper (Dreamworks), Jeremy Shaw, Tal Shwarzman, Ken Fountain, W. Jacob Gardner, Luke Randall, Marco Regina, Manuel Almela, Manuel Aparício, Martin Hopkins, Pierre Perifel, Rodrigo Huerta, Anthea Kerou, Stephen Melagrano, Steve Cunningham, Theodore Ty, Willy Harber. Assistente de produção de animação: Stephanie Alpert. Coordenação de animação de personagens: Jason Reisig. Departamento de animação: Adrian Pinder (PDI/Dreamworks). Direção técnica de animação de personagens: John Yoon, Lucia Modesto, Shaila Haque, Tannaz Sassooni. Direção técnica de layout: William Otsuka. Efeitos de animação de personagens: Jason Doss, Noah Peterson. Engenharia de animação: David I. White, Colin T. Smith, Pia Miniati, Ron Griswold. Iluminação de animação: Matthieu Grospiron. Layout de animação: Brian Riley, Cortney Armitage, Dan Pilgrim, John W. McInnis, Kenneth H. Wiatrak, Mark Mulgrew, Matthew Schmidt. Layout final de animação: Christopher Ell, Joseph Thomas, Stan R. Haptas. Pesquisa e desenvolvimento de animação: Jeffrey Bradley. Planejamento de personagens: Andy Bialk. Prévias de animação: Aaron Weldon. Roteiro adicional de animação: Mike Stern. Roteiro de animação: Greg Miller, Joel Crawford, Ryan Crego, Derek Drymon, Raman Hui, Jorgen Klubien, Spyros Tsiounis. Supervisão de animação: Antony Gray, Jason Ryan, John Hill, Marek Kochout. Produção associada de casting: Christi Soper. Assistentes de montagem: Brian Hopkins, Christopher Knights, Michelle Mendenhall, Michelle Cabalu. Assistente de produção editorial: Daniel Inkeles. Associados à montagem: Joseph R. Thygesen, Lynn Hobson. Colorista: Jeff Olm. Colorização digital: Gregory Creaser. Colorização: Harry Muller, Jim Passon. Coordenação de mídia de edição: Amy K. Clark. Coordenação editorial: Alexander Wu. Coordenação sênior de mídias de edição: Allison Bernardi. Edição dos créditos principais: Jason Sikora (não creditado). Pós-produção executiva adicional: James Beshears. Primeiro assistente de montagem: Danik Thomas. Agenciador da orquestra: Isobel Griffiths. Assistente de edição musical: Meri Gavin. Chefe da orquestra: Ladd McIntosh. Consultoria musical: John Bissell. Coordenação da orquestração: Esther McIntosh. Coordenação musical: Roger Tang (não creditado). Edição da trilha musical: Kirsty Whalley. Edição musical: Richard Whitfield. Engenheiro de regravação de trilha musical: Peter Cobbin. Engenheiro de trilha musical: Jamie Luker. Engenheiro musical: Costa Kotselas. Gerente musical: Charlene Ann Huang. Instrumentos de gravação da trilha musical: Lewis Jones. Mixagem da trilha musical: Malcolm Luker. Mixagem original da trilha musical: Kent Verderico. Música adicional: Christopher Willis, Halli Cauthery. Músicos: Anthony Lledo (guitarra), Chris Clad (violino), Jeremy Steig (flauta), Peter Davies, Tony Morales(guitarra, banjo). Orquestração: Geoff Stradling, Kevin Kliesch, Jennifer Hammond. Preparação musical: Aaron Meyer, Frank Macchia. Produção executiva musical: Sunny Park. Acompanhamento de qualidade de softwares: Peter C. Miller. Administração de engenharia de sistemas: Balaji Alahari, Daniel Rich, John O'Sullivan, Raffi Parikian, Michael Belostotski, Rich Marco, Richard Williamson, Scott Chapin, Stephen E. Ross. Administração de sistemas operacionais: Alireza Estakhrian, Dj Downey, Jorge Juan González, Julio C. Talavera, Todd Maugh, Shawn Bohonos. Administração de sistemas: Bart Feliciano, Rain Angeles. Administração de técnicos de pesquisa: Blake Penido, Nicholas Bencriscutto, Jorge Heredia, Shaun Potts, Paul Replicon, Gemma Ross, Cathy Sitzes, Casey Sword, Carl Bahor (não creditado), Jon Leibowitz. Alliance manager: Hans Ku. Arquitetura de sistemas: Sean Kamath. Assistência técnica: Ibrahim Sani Kache. Assistente de Cameron Diaz: Catherine Burt. Assistentes de pós-produção: Gustav Lindquist, Andrew Richmond, Jesse Warshal, Xavier Vanegas, Alyssa Mauney. Assistente para os produtores: Alissa Rowinsky Wright. Chefe da técnica: Nicholas Long. Chefe do escritório de tecnologia: Edwin R. Leonard. Co-direção de criação dos créditos finais e de abertura: Deven LeTendre (não creditado). Contabilidade da produção: Liza Breuninger. Continuidade: Mary M. Quinn. Coordenação da estória: Daniel Inkeles. Coordenação da produção: Mark Hickner(Fx Departament), Alex J. Levine, April Henley, Freddy Ferrari, Nick Fumia, Sajmun Sachdev, Rohit Sharma, Rachel Slansky. Coordenação de produção da iluminação: Jason Evaristo. Coordenação de tecnologia: Joe Bauman, Morgan J. Steele. Coreografia: Michael Rooney. Créditos de abertura: Garson Yu. Desenvolvimento senior de softwares: Robert Tesdahl. Engenharia da produção: Mark Jackels, Mark Kauffman, Alain Banas, Eric McKinley, Jason Lloyd, Zeke Burgess, Jemson Montefalcon. Engenharia de harware: Michael Coronado. Engenharia de infraestrutura: Benoit Gagnon, Doug Sherman, Drew Perttula, Jason Kankiewicz, Paule Merlin. Engenharia de produção: Selim Tuvi. Engenharia de redes: Sean Ellis. Engenharia de sistemas editoriais: Paul Parmer. Engenharia de softwares: Mackenzie Thompson. Engenheiro de produção: Jayson DeLancey. Engenheiro principal: Michael Cutler. Equipe de supervisão da produção: Spencer Filichia. Estagiário da direção técnica de ajustes de iluminação: Maxim Lazarov. Estagiário de pesquisa e desenvolvimento: Rick Menze. Estagiário em coordenação: Rachel Hanson. Estagiário em desenvolvimento técnico: Guthrie S. Hennessey. Estagiário em desenvolvimento: Adam Hall. Estagiário: Aaron Notestine. Estúdios de operação: Laura Monteiro, Mark Rogers. Facilidades: Anthony Fabrizio. Gerente de pesquisa digital: Mark M. Tokunaga. Gerente de pesquisa e desenvolvimento: Anna Newman. Gerente de produção de tecnologia: Sarah Counnas. Liderança técnica: Richard Holland. Marketing e promoções: Andrea Parrish. Marketing: Darin Grimes, Jaimie Nakae. Pesquisa e desenvolvimento: Bryan Cline, Malik Coates, Reid Gershbein, Steve Baker, Terence Kuederle, Will Bilton. Produção de créditos finais e de abertura: Deven LeTendre (não creditado). Publicidade: David Hail. Software de stereoscopia: Paul Newell. Staff de produção: Jennifer Vogt. Supervisão da produção de efeitos de personagens: Spencer Filichia. Supervisão da produção: Jessie Carbonaro, Kelly Matthews. Supervisão de desenvolvimento de sistemas: Holly Allen. Supervisão da direção técnica: Munira M. Bhaiji. Supervisão do escritório de pós-produção: Wayne Hellinger. Supervisão técnica de pesquisa: Juli Gumbiner. Controle de qualidade: Katy Harrison. Agradecimentos especiais a: Michael Andrews, Guillaume Aretos, David Lindsay-Abaire, Debbie L. O'Keeffe. Agradecimentos a: William J. Caparella. Companhia de promoções: Apollo Productions/AAR Digital. Estúdio de gravação da trilha musical: DGC Records. Empresa de gerência de marketing e ativos digitais: Digital Media Services (DMS). Companhia de abastecimento de sistemas instrumentais: Eastwood (Sound and Vision). Estúdios de gravação do álbum da trilha musical: Varèse Sarabande. Créditos de abertura: yU+Co. Tempo de exibição: 93 minutos.


(José Eugenio Guimarães, 2012)