POEMA A ROBIN WILLIAMS, DE LUIS ESTRELA DE MATOS

O poeta e ensaísta Luis Estrela de Matos homenageia Robin Williams com o poema: 




SEM WILLIAMS

(a Robin Williams, ago/2014)







Não sei o que te leva ...

E o que tu levas

Mas isso me parece permanente e certo

Algo fica incógnito

e soberano

Teu riso em travessia nos acenando

sempre,

outras paragens

Numa terra de alegrias e vertigens



Carrol desenhava tuas veias atrás do coelho ruminante...



Era mais ALICE a vida

Em teu movie aparecer

Teu sempre rosto cômico-trágico

E humanizado

Nos envergonhava a valer



Paragens talvez te esperem!

Por aqui descarrilou pra caralho:

tudo e todos

andamos mesmo é nos arrastando

E nos falta espontaneidade.



E nos falta Espontaneidade.



A tua te fez estrelar.

Os poetas são mesmo assassinos.

Agora põe-te indomável

Sozinho,

gênio

e a voar.







Luis Estrela de Matos
estrematos@yahoo.com.br 


6 comentários:

  1. Respostas
    1. obrigado Hannah por sua palavra. Confesso que também gostei destes versos.
      Luis Estrela

      Excluir
  2. Respostas
    1. Wesley... dois adjetivos imperiosos. Tento escrever coisas viscerais, quando posso. Obrigado.
      Luis Estrela

      Excluir
  3. Você disse tudo, Luis! Maravilha de poema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Márcia,

      Como titular deste espaço, o blog, agradeço pela sua apreciação em nome do autor do poema, o Luis Estrela. Passarei a ele o seu comunicado.

      Mais uma vez, obrigado!

      Abraços.

      Excluir